13/06/2018

Ascendentes de Ramiro Monteiro de Aguiar no casal do Carvalho, Irivo

Catarina Gonçalves, do Carvalho +20.10.1602, em cujo assento ficou registado que faleceu viúva e ficou no seu casal o filho Domingos Fernandes.

Domingos Fernandes, do Carvalho  +22.4.1627, casado com Senhorinha Brás +8.3.1625, de quem ficou registado o filho Domingos baptizado a 25.10.1593, a filha Maria Fernandes casada a 12.11.1616 e outros filhos nomeados em rol de crismados de 1603: Manuel, Gonçalo e Amador.

Gonçalo Fernandes, do Carvalho + 30.3.1666, que casou uma 1.ª vez com Catarina Pires a 13.5.1617 e segunda vez com Margarida Borges a 21.12.1644, falecida a 2.4.1676.

Gonçalo Borges, do Carvalho * 2.11.1652, casado em Urrô a 13.6.1678 com Águeda Pereira, de Urrô.

Manuel Borges, do Carvalho + 6.6.1743, tendo casado com Catarina Rodrigues de Sousa [ Por vezes citada em Irivo como Maria] em Perozelo a 18.11.1703.[ Houve troca de irmãos, em Irivo casa a 17.11.1703 a irmã de Manuel, Maria Pereira com um irmão de Catarina, António Lopes.]

Luísa Borges, do Carvalho casada em Irivo a 15.9.1738 com Domingos Rodrigues (  nomeado como Teixeira ), de Paço de Sousa, Couto, referidos como moradores quer no Carvalho, quer em Avinho, que são os pais de Maria Teresa casada em Coreixas a 1.11.1785 com José Luís de Sousa, de São Paio da Portela, bisavós paternos de Ramiro.









                               No seu assento de óbito Catarina aparece nomeada Maria, assim como

                               no de baptismo da filha Luísa. Nos outros assentos surge com
                               o nome Catarina.                                       













Neste último assento de casamento da neta Maria Teresa em Coreixas, a 1.11.1785,
a referência à naturalidade da avó Catarina Rodrigues - Perozelo.


12/06/2018

Ascendentes na Casa de Pegas em Out(o)rela, Peroselo, Penafiel

/candeiavelha.blogs.sapo.pt/?skip=4&tag=casa+de+pegas


Tem Ramiro Monteiro de Aguiar ascendentes nesta Casa através dos seus pentavós Manuel Lopes e  Ângela Rodrigues da Casa da Quintã, de Perozelo, aí casados a 10.8.1661.[Filha de Catarina Rodrigues, da Quintã e Domingos Gonçalves, casados em Perozelo a  7.2.1628.]

São pais de Catarina Rodrigues de Sousa [ Em alguns assentos nomeada como Maria, em Irivo], que  casa em Perozelo a 18.11.1703 com Manuel Borges, do Carvalho, moradores em Irivo.

Avós de Luísa Borges nascida no Carvalho, Irivo onde casa a 15.9.1738 com Domingos Rodrigues, que em certos registos figura com o apelido Teixeira, natural de Paço de Sousa, Couto e moradores em Irivo.

Bisavós de Maria Teresa casada em Coreixas a 1.11.1785 com José Luís de Sousa, de S. Paio da Portela e assistente na Boavista.

Trisavós de Joaquim Luís Rodrigues, casado na Boavista a 24.8.1813 com sua prima Maria Joaquina Luís Aguiar, da Casa do Bairro, Galegos.



Na Casa de Pegas, em geração anterior, os pais de Manuel Lopes: António Lopes casado em Perozelo a 21.11.1644 com Francisca Dias.

Os pais de António Lopes são Domingos Lopes, da Casa de Pegas casado em Vila Cova de Vez de Avis a 8.12.1624 com Natália Fernandes, filha de Sebastião Fernandes e Francisca Rodrigues.












06/08/2017

Uma peça personalizada de Lourença Rodrigues Moreira, avó materna de Padre Américo


Também nomeada como Lourença Rodrigues da Silva, viveu depois de casada  com António Joaquim Ferreira Coelho em Antelagar, tendo nascido na Casa de Vales de Cadeade, em Paço de Sousa, a 11.10.1811 e falecido em Antelagar a 20.1.1885, aos 74 anos.
Foi na Casa do Pizão, onde morava uma sua irmã que se lavrou o documento apresentado.








01/08/2017

Foto de 1921, dedicada a tio Jaime pelas sobrinhas da Casa da Carreira, Irivo


   


Maria Monteiro de Aguiar, casada com José Guilherme Allen Brandão, em foto de 1921, com as suas filhas  Francisca, Alda, Irene e Sara, conforme consta de dedicatória da mesma, feita pelas sobrinhas ao tio Jaime Monteiro de Aguiar.
Fotografia do Arquivo da Casa de Antelagar.

29/07/2017

Apontamentos de António Joaquim Ferreira, em pequeno caderno artesanal

António Joaquim Ferreira foi o avô materno de Padre Américo.
                Anotou nestas páginas o nascimento dos dois filhos, Theresa e Joaquim António, a morte                     de seu pai e de sua mulher, a coincidência de dia de São João com o dia de Corpo de Deus em 1886.
                Ainda uma referência ao dia da saída dos frades do Convento a 10 de Maio de 1834 e                           algumas considerações a propósito da entrada no Porto de Dom Pedro, com  sete mil homens, tendo Dom Miguel oitenta e oito  mil homens em armas.







23/07/2017

Postal de António Monteiro de Aguiar para sua mãe, 1911

A assinatura do irmão António Monteiro de Aguiar, que falta no documento que acompanha o fuso da roca, no estojo.
Em postal enviado à mãe em 1911, a partir de Braga. Postal de Barcelos.





02/03/2017

Beliaguoa, Beliagoa ou Beliágua, por Ambrósia da Cunha da quinta da Quebrada de Cête e sua irmã Guiomar da Cunha, da quinta do Real, de Paço de Sousa






Teresa Ferreira Rodrigues, mãe de Padre Américo, descende como já foi referido na mensagem  Cunha, quer de Ambrósia da Cunha, da quinta da quebrada de Cête, quer de Guiomar da Cunha, da Quinta do Real de Paço de Sousa. A sua ascendência nos Beliagoa ou Beliágua, do Porto, vem estabelecida por M. Antonino Fernandes na Revista Lusófona de Genealogia e Heráldica: filhas de Mécia Dias e Ambrósio da Cunha; netas maternas de Diogo Álvares Beliágua e Isabel de Couros, nomeados nos respectivos prazos de Cête e Paço de Sousa; bisnetas de João Beliágua, o Velho e mulher; trinetas de Álvaro Gil Beliágua e Inês Álvares; quartas netas de Gil Gonçalves Beliáguaa e mulher; quintas netas de Margarida Gonçalves Beliágua e João Martins e sextas netas de Gonçalo Anes Bele Augua e Florença Domingues.
De diversas grafias, este nome. Em Fonte Arcada, o padre, com este apelido, filho de Guiomar da Cunha e Pedro Borges Carneiro, no início do século XVII, assinava  Beliaguoa.

Contudo, no livro de Prazos do Mosteiro de S. Salvador de Paço de Sousa ( outra fonte não primária) é atribuído o prazo do Real à irmã de Mécia Dias, Isabel Dias, casada com Manuel Carvalho, em segunda vida; terceira vida a Guiomar da Cunha, sua filha, casada com Pedro Borges Carneiro.







Em registo de Cête, no casamento de filha de Ambrósia da Cunha, a presença do primo, filho de Pedro Borges  Carneiro e Guiomar da Cunha Coutinho, irmã de Ambrósia - Padre Gaspar Beliauga, assim grafado pelo pároco, cura de Fonte Arcada, cuja assinatura era a anterior, de outra forma escrita.




14/10/2016

A Genealogia baseia-se em fontes

Padre Américo foi uma figura ímpar, extraordinária, de grande visão, colocando todas as suas energias e capacidades em acção para proporcionar um Lar aos meninos da rua, abandonados, excluídos. Consegui-o, foi brilhante, Santo que foi desde logo aos olhos dos mais fracos.
Homem de verdades, ainda que incómodas, inteiro.
Se alguém quiser escrever sobre a sua genealogia, que o faça respeitando as fontes. As fontes não são susceptíveis de serem citadas parcialmente. A bem do rigor.

                                                             

Tal como ainda hoje, 
podia-se morrer de 
parto. Essas mortes
não apagam os
nomes de quem assim
se despede tão nobremente
da vida.


ADPRt/PRQ/PPNF16/003/007